Tattoo Mike: é um documentário que ativa a história da modificação corporal e sideshow

0 Flares 0 Flares ×

Fotos: reprodução / Tattoomikefilme.com

Está acontecendo uma campanha de arrecadação de fundos para finalização do documentário Tattoo Mike – A história do homem ilustrado que registra, em filme, histórias da modificação corporal, sideshow e cultura queer e freak dos Estados Unidos. A produção se debruça na história de Michael Wilson (1952-1996) e tem a direção assinada por Ethan Hill.

A apresentação do filme diz:

No início dos anos de 1980, um jovem artista com uma condição médica fatal muda-se para o mundo das sombras de Lower East Side de Nova York, Estados Unidos, com a intenção de cobrir o rosto de tatuagens em desafio à proibição de tatuagem em vigor, e ao fazer isso se transfoma em pioneiro de freakshow como o Homem Ilustrado.

Abaixo reproduzimos o resumo da obra:

Tattoo Mike é sobre um menino que foge para se juntar ao circo. É um estudo aprofundado na vida do artista visual e performático Michael Wilson, explorando seu impulso para definir e afirmar sua individualidade em um mundo que resistiu à extremidade de sua aparência física criada por si mesmo, uma convicção de uma visão criativa singular e seu casamento com uma vida de arte.

Antecedendo a chegada de Michael a Nova York em duas décadas, a tatuagem em meados do século XX era um comércio movimentado. Luzes de letreiro de cores berrantes piscando nas ruas escuras da Times Square, o romance de bêbados gritando e brigando na calçada, poesia no rugido do tráfego que passava pelas vitrines de tatuadores trabalhando em difíceis locais e visitando marinheiros até as 4 da manhã, a cidade era uma visão de uma pintura de George Bellows. No final da década de 50, começou um boato de que os funcionários da cidade estavam vindo para fazer inspeções nas lojas. Vendo as condições sanitárias como fonte de disseminação da hepatite, o Departamento de Saúde fechou negócios de tatuagem sob o pretexto de um problema de saúde pública. Como costuma acontecer, a linha confusa da verdade fica em algum lugar entre o social e o político. No entanto, a bala de prata foi disparada na decisão de um juiz de 1961 que proibiu a tatuagem nos cinco bairros, uma lei que permaneceu em vigor pelos próximos 36 anos. É claro que a tatuagem nunca saiu da cidade, apenas foi para o underground (clandestinidade).


Quando Michael Wilson chegou em 1982, 21 anos depois da proibição, Nova York estava saindo de um período de motins, blecautes e falências, e entrando na era do crack e no pior dos anos da AIDS. Esses também foram os dias de ouro do punk, o início da música rap e uma revolução artística sem precedentes na pintura, performance, design gráfico, publicação e moda, cada forma de expressão criativa influenciando e inspirando a outra. Pessoas que queriam uma vida diferente da que uma pequena cidade tinha a oferecer vieram aqui. Os gays vinham aqui para fazer amizades, fazer sexo e criar e ditar profissionalmente a cultura popular para as massas. Se alguém fosse corajoso o suficiente para tentar, Nova York era a casca queimada de uma cidade que oferecia a qualquer um a chance de se reinventar.

Michael discute em uma entrevista com Charles Gatewood, documentarista fotográfico da sociedade underground e marginal, foi porque tatuar era ilegal em Nova York que a cidade se tornou seu destino. Seu objetivo era encontrar alguém que estivesse disposto a quebrar o tabu de tatuar o rosto para que ele pudesse se tornar a pessoa que imaginou para si desde a adolescência, O Homem Ilustrado, um personagem lendário do antigo espetáculo de carnaval do mundo moderno.


Em 1985, após uma década de ausência, o tradicional sideshow voltou discretamente a Coney Island. Pressões culturais nas décadas de 50 e 60 (a ascensão do politicamente correto tornando desagradável a apresentação de estranhezas humanas com o propósito de entretenimento) e pressões econômicas (a invenção do carnaval elétrico gerando margens de lucro muito superiores às despesas de uma apresentação ao vivo ) desligou os espetáculos outrora extremamente populares, um após o outro. Em meados dos anos 80, o fundador do Sideshows by the Seashore, Dick Zigun, juntou-se ao showman dos velhos tempos John Bradshaw para um fim de semana de apresentações para multidões esgotadas. Com o rosto agora tatuado, Michael começou a trabalhar no sideshow em 1987. Qualquer fotógrafo de notícias em Coney Island naturalmente queria uma foto de Michael e a atenção da mídia o lançou no centro das atenções: um convidado em talk shows diurnos, aparições em vídeos musicais, designer de moda, capa de revista e ícone cultural.

A personalidade de Michael era um enigma de contradição. Se você não esperava encontrar alguém parecido com ele no supermercado no final dos anos 80, sua presença era se não assustadora, então certamente uma surpresa. Na verdade, ele era a mais gentil dos gentis. Ele era a pessoa mais inteligente da sala e abandonou o ensino médio. Ele se apresentou publicamente como um dissidente sexual, flertando com todo mundo, mas nunca dormindo por aí. Ele vivia em um mundo muito gay, mas nunca parecia estar em paz com sua bissexualidade. Michael também estava doente. Quando criança, ele foi diagnosticado com diabetes dependente de insulina. Disse que a doença o mataria por volta dos 20 anos, Michael escolheu VIVER, ousando trilhar um caminho de sua própria autoria.

Este filme examina a vida pessoal e criativa de Michael, como sua sexualidade informou sua arte visual e como seu alcoolismo, negligência consciente de seu diabetes e atração por drogas alucinógenas informaram as visões que ele teve que se tornaram o tema de sua pintura. Olhamos para as ideias que jovens artistas dessa época exploraram, pegando formas controversas e desatualizadas de arte tradicional e reimaginando-as para um público pós-moderno, e o papel que Michael desempenhou nesse movimento. Hoje, poucas décadas depois, a influência desse esforço é onipresente: a tatuagem está em toda parte e em todos e o freakshow moderno é mais uma vez celebrado na cultura popular.”

Não bastando o filme trazer uma história tão importante para nossa comunidade, atravessada por discussões que passam pela dissidência sexual e diabetes, o longa contará com a participação de convidades muito especiais, tais como: Eak the Geek, Kembra Pfahler, Sur Rodney, Ron Athey, Mehai Bakaty (Fine Line Tattoo), The Lizardman, Jennifer Miller (mulher barbada), Dick Zigun (Coney Island, EUA) e James Taylor (Shoked and Amazed).

A história de Mike com sua ascensão na cultura pop norte-americana e internacional lembra bastante ao impacto cultural gerado pelo Zombie Boy (1985-2018). Ambas as histórias também reforçam a ideia da baixa expectativa de vida da nossa gente, o que nos convida para um olhar mais sensível e cuidadoso. O que nos convida para um cuidado mútuo.

O filme ainda não tem data de estreia, todavia, vamos acompanhando os próximos passos. Indispensável, definitivamente indispensável!

Para quem puder e quiser doar e contribuir com o filme:
https://www.indiegogo.com/projects/tattoo-mike-feature-documentary-film

(Visited 1 times, 1 visits today)
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×