Alerta antes e depois de falha com pigmentação do globo ocular

0 Flares 0 Flares ×

Foto: Reprodução / Facebook

Desde quando surgiu a técnica da pigmentação do globo ocular, chamada de eyeball tattooing, todos os riscos conhecidos e estimados foram igualmente anunciados e amplamente divulgados pelo BMEzine. Aqui no FRRRKguys também não foi diferente. Uma década depois, assistimos a técnica se espalhando pelo mundo e criando incontáveis discussões acerca das políticas do corpo.

Uma década depois é improvável que se passe pelo procedimento sem conhecer os riscos de curto e longo prazo (manchas ao redor do olho, sensibilidade a luz, relações sociais afetadas e a possibilidade de cegueira, são alguns exemplos), em outras palavras, fazer a pigmentação do globo ocular é concomitantemente assumir todos os riscos que o procedimento carrega. Assumir os riscos aqui, serve para quem passa pelo procedimento e para quem o realiza (body modifier). 

Uma década depois a imprensa (da pequena até as gigantes) seguem reproduzindo os mesmos discursos preconceituosos sobre os corpos modificados e especificamente sobre a pigmentação do globo ocular, muitos rumores falsos e que não ajudam em absolutamente nada o processo de evolução técnico e tecnológico. Cria-se um pânico e uma espécie de sadismo psicossocial em se promover esse tipo de notícia falsa, onde uma população historicamente estigmatizada não é poupada. 

Uma década depois não assistimos um alinhamento ou parceria entre modificadores corporais e profissionais da oftalmologia para se entender a técnica e torná-la – quem sabe, talvez – mais segura. Muito pelo contrário, seguindo a onda reacionária conservadora mundial, o que assistimos é um discurso punitivista em que o corpo e as decisões sobre ele são abertamente condenadas. 

Nesse texto vamos abordar um caso recente em que houve um sério erro e aqui, infelizmente, não se trata de uma notícia falsa. A canadense Catt Gallinger anunciou pelo Facebook sobre a situação de seus olhos, conforme reproduzimos o texto traduzido abaixo:

“Para toda a gente a perguntar sobre o meu olho. Então, isto foi feito pelo Eric Brown há três semanas. Tal como está, terei de ver um especialista e corro o risco de ficar cega, se não for corrigido. Isto foi causado por tinta não diluída, por injeção, não com pontos de injeção suficientes/menores. Há várias pessoas que podem atestar que o meu pós-tratamento foi bom e qualquer outra parte do que estou a dizer. Não estou a partilhar isto contigo para causar problemas, estou a partilhar isto para te avisar para que pesquise com quem você faz teus procedimentos, bem como a forma como o procedimento deve ser feito corretamente. Já fui ao hospital três vezes, não tinha animais peludos para causar qualquer dano, e lavo as mãos sempre que faço alguma coisa com o meu olho, antes e depois.

Eu estava pingando gotas de antibiótico durante a primeira semana e meia e estive em gotas de esteróides durante quatro dias, com pouco sucesso em reduzir o inchaço interno. O inchaço externo durou quase uma semana. As fotos mostram o dia de (gota roxa), no dia seguinte (fechado) e agora três semanas mais tarde. Vou acrescentar mais ao longo do processo. Por favor, tenha cuidado com quem faz as suas modificações e faça a sua pesquisa. Não quero que isto aconteça com mais ninguém. Vou publicar atualizações durante o processo publicamente no meu mural.”

Foto publicada em 20 de Setembro de 2017. Reprodução / Facebook.

Foto publicada em 20 de Setembro de 2017. Reprodução / Facebook.

O caso estourou na imprensa mundial e foi alimento para quem ansiava por algo do tipo e nossos tempos são tão perversos que havia uma multidão esperando por isso. E é horrível como as pessoas despidas de qualquer empatia e solidariedade atacaram a jovem pelas redes sociais. Nunca vamos entender esse apetite voraz pela desgraça do outro. Mas nem tudo está perdido, também houve um outro lado de pessoas solidárias que estiveram do lado da moça e torcendo para que tudo ficasse bem. Nós estivemos na torcida por sua melhora e nunca poderíamos nos contentar em saber que uma pessoa estava machucada e carregando algum tipo de sofrimento. 

Catt Gallinger utilizou do Facebook para avisar sobre o caso e também alertar, conscientizar e educar as pessoas, “para que não repitam o mesmo erro” em sua próprias palavras. E antes de nos adiantarmos, precisamos ter claro que quando uma pessoa procura por um procedimento de modificação corporal – seja o corte de um cabelo ou uma lipoaspiração – ela nunca estará buscando pelo acidente, pela falha, o erro, embora estejam passíveis de acontecer… Reconhecendo aqui, que algumas escolhas (ou a ausência delas) pode tornar o quadro mais problemático ainda. Obviamente que as escolhas precisam ser contextualizadas, afim de rompermos com aquele discurso punitivista que não ajuda ninguém em absolutamente nada. Mas talvez isso seja assunto para um outro texto. 

Assim como a Catt, falar sobre o caso agora é tentar informar as pessoas sobre os riscos que rondam o procedimento da pigmentação do globo ocular, que são muitos e tantos ainda desconhecidos. Abaixo reproduzimos pequenos relatos da canadense com suas respectivas imagens. 

No dia 23 de Setembro de 2017, Catt escrevia que a dor estava mais controlada com os medicamentos, ao passo que a sensibilidade à luz estava grande. A maior parte do tempo o seu olho ficava fechado. Nenhuma mudança na visão. 

Foto publicada no dia 23 de Setembro de 2017. Reprodução / Facebook.

No dia 24 de Setembro de 2017, Catt publicou que percebeu uma quantidade de tinta sair em resíduos de seu olho. O inchaço havia diminuído, a irritação também e até a dor era menor. Os medicamentos – segundo ela – estavam a mostrar resultados, no entanto sua visão não tinha melhora. Na terça-feira iria ver se seguiria com os medicamentos e/ou se seria necessário intervenção cirúrgica. 

 

Foto publicada no dia 24 de Setembro de 2017. Reprodução / Facebook.

No dia 26 de Setembro de 2017, Catt escrevia que a dor tinha voltado. A visão não estava melhor. Que a irritação era menor e que no dia seguinte faria uma nova consulta no Instituto do Olho. 

Foto publicada no dia 26 de Setembro de 2017. Reprodução / Facebook

No dia 29 de Setembro de 2017, Catt estava tomando medicamentos e ainda assim se queixava de fortes dores. Havia uma preocupação com a córnea, principalmente com a quantidade de resíduos em seu olho. Uma cirurgia estava sendo pensada para remoção do excesso de tinta. 

No dia 01 de Outubro de 2017, Catt escreveu que dois dias atrás o seu olho estava dolorido e irritado, mas que com os novos medicamentos tudo estava se tornando melhor e mais suportável. Naquele momento a visão estava desfocada e, algumas vezes, dupla. Outra informação é a de que ela percebia que a tinta estava a sair novamente. 

Foto publicada no dia 01 de Outubro de 2017. Reprodução / Facebook

Em vídeo do dia 04 de Outubro de 2017, Catt disse que seguia com o tratamento e que embora a visão estivesse borrada, tinha recuperado um pouco. A cirurgia que ela faria no olho foi adiada e o inchaço estava sendo controlado com novos medicamentos. O vídeo que passou das 13 mil visualizações até o presente momento, foi divulgado em tom de boas notícias. 

Seguimos aqui na torcida para que a Catt se recupere logo e que a sua visão se restabeleça. Torcemos ainda para que no futuro exista estudos transdisciplinares sobre a técnica e que ela possa oferecer mais segurança para as pessoas que desejam colorir suas escleras. O cenário de agora ainda é de incertezas. 

 

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×

About T. Angel

No cenário da modificação corporal brasileiro desde 1997, inicialmente como entusiasta e posteriormente atuando no campo da pesquisa. Parte de seu trabalho está incluso no livro "A Modificação Corporal no Brasil - 1980-1990" e grande parte depositada aqui no FRRRKguys.com.br.