Até que os dentes mudem de cor…

0 Flares 0 Flares ×

10155069_1461568990745999_4601001113439537459_n                                                                     Foto/Fonte: Poubelle Bleue

As modificações nos dentes sempre me chamaram muita atenção e curiosidade. Ao entrar nesse assunto é impossível não ser redirecionado ao Erik Sprague, que por sinal foi a primeira pessoa que eu vi com os dentes, digamos, afiados.

image                                                         (Erik Sprague aka. The Lizardman)

Posteriormente descobri a tribo Mentawai, em Sumatra, onde as mulheres afiam os dentes para atender os padrões estéticos. No Brasil, a comunidade caingangue, na região do Paraná, também carrega um histórico de manipulação dos dentes afim de deixá-los pontudos, além dos ticunas e os guajajaras, ambos da região da Floresta Amazônica. Hoje, apesar da baixa incidência, o procedimento ainda e realizado entre os caingangues. Nos povos pré-colombianos andinos e da América Central também há precedentes e registros da existência da técnica de afiar os dentes. Principalmente através de raspagem. Há de se dizer que os povos pré-colombianos desenvolveram técnicas primorosas com os dentes, falaremos mais um pouco sobre eles adiante.

 

“Entre os indígenas brasileiros, os dentes de “piranha” [mutilados em forma de pontas] são os únicos tipos ainda hoje encontrados. A mutilação só é feita nos quatro dentes incisivos superiores”
Andersen Liryo da Silva, arqueólogo do Mu­­seu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Obviamente que antes dos dentes afiados, eu já tinha me deparado com as pessoas com os dentes de ouro. Na década de 80 era mais comum vê-los do que hoje. É possível desenhar uma história da humanidade através da boca, ou melhor, dos dentes.

Em 2001 foi a minha vez de entrar em contato direto com as modificações nos dentes. Eu estava muito interessado em alongar os meus caninos, e na ocasião encontrei o trabalho da Dra. Mary Matsuda, que também estava começando a trabalhar com os chamados piercings dentais, procedimento que teve grande popularização na primeira década do ano 2000.

piercing                                                                                 (Fonte: Delta Dent)

 

Fiz o meu alongamento de caninos e os meus outros dentes acabaram recebendo algumas incrustações: uma estrela de ouro, um ponto de brilhante e uma pedra de Lápis-lazúli, que é a que mais me faz falta.

Enquanto a imprensa repetia sempre as mesmas referências pobres, lembro de ter tido contato com livros maravilhosos que contavam um pouco sobre a incrustação de pedras nos dentes. Assim como a tatuagem e a escarificação, o procedimento de aplicação de pedras nos dentes humanos não tem uma datação exata de quando tenha começado. Estima-se que há cerca de 2.500 anos essa prática já existia na cultura Maia.

 

copan-museum-1                                       (Dentes incrustados com jade, Museu Copan, Honduras)

dental-manipulation-chart                                                      (Reprodução: Latin American Studies)

O pesquisador do Instituto Nacional Mexicano de Antropologia e História, José Concepción Jiménez, estudou dentições encontradas na região conhecida como Mesoamérica, no sul da América do Norte. Segundo ele, é possível que eles aplicassem algum tipo de anestésico a base de ervas para aliviar a dor e que as gemas fossem fixadas por um tipo de adesivo feito de resinas naturais, como seiva de plantas.O uso dos dentes com pedras preciosas também não era sinônimo de poder. Red Queen, múmia encontrada em um templo Maia que viveu durante esse período, não possuia nenhum brilhante em seus dentes. O que levou o pesquisador a supor que a prática tivesse fins estéticos, principalmente entre os homens.

Os cientistas não sabem a origem da maior parte dos dentes nas coleções, os quais pertenciam as pessoas que viveram em toda a região, chamada de Mesoamérica, antes das conquistas espanholas de 1500.”
National Geographic

 

An archaeologist of the Honduran Institu             (Honduras recupera jade-adornada maias nos ossos maxilares na Holanda)

 

3MayaTeeth(Dentes de Imperador Maia com implantes de Jade. Cortesia do Museu de Santa Barbara)

É verdade que toda essa reflexão sobre os dentes começou principalmente após me deparar com a imagem que utilizamos como capa, disponibilizada pelo blog Poubelle Bleue, um dos canais mais interessantes sobre modificações corporais que temos acompanhado nos últimos tempos. A imagem publicada pelo Poubelle Bleue pode ser somada da leitura do texto que fala sobre as possibilidades de modificação dentro da boca, você pode ler ( em francês) CLICANDO AQUI.

Toda essa reflexão fortalece a minha teoria de que na verdade, assim como a maioria das modificações corporais, os dentes humanos têm uma longa história de modificações, além daquelas naturais (no sentido biológico), existem aquelas que foram naturalizadas, seguindo a variação cultural de tempos e espaços. Por exemplo, pensar que o ato de escovar os dentes é algo natural (e que por isso sempre existiu) é um grande equivoco. Escovar os dentes é parte de uma doutrinação dos corpos, isto é , resultado de um processo sócio-cultural da sociedade. Nesse sentido se aproxima da incrustação de gemas dos dentes e também da raspagem para deixá-los em formato de pontas. Tanto um quanto o outro é parte de um processo histórico, independente da motivação.

Dentre as possibilidades apresentadas no blog existe uma bastante interessante, e que se relaciona com essa discussão, que é a coloração dos dentes. A imagem é manipulada digitalmente, mas suscita novas – futuras – possibilidades. O mais próximo que chegamos até o momento é a coloração temporária dos dentes através de uma tinta inglesa, a Novelty Tooth Paint. O resultado aparentemente não fica como o da foto acima, mas como eu disse, é um começo. Pelo que aponta o site que vende o produto, a tintura é bastante resistente e de certa forma durável.
Quem sabe em breve seja possível o desenvolvimento de algum laser que possibilite essa modificação de modo permanente. Tenho certeza que muita gente iria querer.

TruColour-Bottles-tooth-paint-w250                                                                        (Novelty Tooth Paint)

jpg                                                                             (Futuro?)

É importante mencionar que exceto nos casos de remoção de dentes, a maioria dos procedimentos relacionados aos dentes possui um caráter temporário, estando sujeito  à ação do tempo, dieta e higiene adequadas, hábitos de mastigação e intercorrências decorrentes do cotidiano.

Espero que as pessoas olhem para essas práticas e possibilidades que apresentamos com mais encanto do que temor. Afinal de contas nenhuma boca tem sido tão modificada quanto as dos nossos contemporâneos. Para quem dúvida, basta olhar a quantidade de pessoas com aparelho ortodôntico (dos modelos mais variados), clareamento dos dentes, clareamento gengival, facetas, coroas, próteses, implantes dentários e a lista segue.

Enquanto a nossa cultura preserva uma boca cada vez mais cheia de dentes, por sua vez cada vez mais assustadoramente brancos, é bom ver que outras populações pensaram e continuam pensando em outras formas de se apropriar de si. Receio que essa obsessão pelos dentes claros esteja muito relacionada com a obsessão ocidental contemporânea com a vida demasiada asséptica, higienista, quiçá artificial. Ao mesmo tempo esse ideal de brancura fala sobre uma forma de se diferenciar socialmente (e de poder econômico) e de que existe uma necessidade quase patológica no brasileiro em não parecer pobre. Enquanto os ricos seguem pagando fortunas pelo sorriso perfeito, os pobres seguem perdendo os dentes. Aproveitando a ocasião, basta ver as nossas “festas juninas”,onde o cidadão campesino segue sendo representado como o cidadão desdentado de fala incorreta. Como nos lembra Cortella, são raro os que alertam que a ausência de dente naquela população não é para ser engraçado, mas que são desdentados por sofrimento. Como eu disse, através dos dentes é possível se construir uma história social da humanidade.

Um dia vamos aprender que um sorriso contagiante não surge somente dos dentes mais claros, mas dos corações mais puros e sinceros. Talvez nesse dia se os dentes vão ter pedras, cores, pontas ou até mesmo se não estiverem presentes, é o que menos vai importar.

 

FONTES:

Tongue split bicolore, gencives arc-en-ciel : les horizons peu explorés des modifications à l’intérieur de la bouche
http://poubellebleue.wordpress.com/2014/01/06/tongue-split-bicolore-gencives-arc-en-ciel-les-horizons-peu-explores-des-modifications-a-linterieur-de-la-bouche/

Tooth Paint
http://www.trufancydress.com/acatalog/Tooth_Paint.html#a1

Ancient Gem-Studded Teeth Show Skill of Early Dentists
http://news.nationalgeographic.com/news/2009/05/090518-jeweled-teeth-picture.html

Latin American Studies
http://www.latinamericanstudies.org

Dentes esculpidos pela tradição
http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=1227028

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×

1 thought on “Até que os dentes mudem de cor…”

Deixe uma resposta