Entrevista com Karine Guimarães sobre o eyeball tattooing

0 Flares 0 Flares ×

10588671_934982326518790_1218271950_n                                   (Foto: Kasha)

Karine Guimarães é uma mulher, tatuadora profissional de São Paulo e também trabalha como modelo. O eyeball tattooing que ela decidiu fazer – há quase dois anos – não desagregou os seus valores como cidadã e tão pouco interferiu em sua capacidade intelectual e profissional. Se antes de pigmentar os seus olhos de preto ela era uma profissional da tatuagem, após, ela continua o sendo. Entendam de uma vez, ela não ficou nem mais profissional e nem menos por conta do eyeball tattooing. As pessoas que estão dizendo isso, isto é, tentando desqualificar profissionais por conta de seus corpos, estão sendo equivocados, rudes e ofensivos. Equivocados pois o discurso que esses sujeitos alimentam não tem – até o momento – comprovação e base. Rudes e ofensivos por tentarem desqualificar profissionais com base em seus parâmetros e interesses particulares. Por sorte a tatuadora de olhos pretos não precisa de aprovação e tão pouco permissão de nada e nem ninguém para continuar exercendo a tatuagem, repito, profissionalmente. É estranho e desconfortável ter que vir falar sobre o óbvio, mas é necessário.

Essa entrevista exclusiva que trazemos agora com a Karine Guimarães vem a somar com as outras anteriores que fizemos, com as primeiras pessoas brasileiras que pigmentaram os seus olhos. Repetindo: diferentemente do que vem sendo divulgado, essas pessoas não estão cegas, não prejudicaram sua saúde ocular e até o momento estão felizes com as suas escolhas e isso deve ser levado em consideração.

Optamos em fazer as questões de maneira bastante didática, para tentar ao máximo que esse material tenha um potencial educativo. Pode ser que em algum momento soe primário demais, mas se é esse o nível que nos encontramos, é assim que precisa ser.

Não deve ser agradável para uma profissional da tatuagem ser desqualificada por uma instituição que deveria representá-la. Justamente por isso agradecemos a atenção de Karine Guimarães, tatuadora profissional que tem o nosso respeito e admiração.

Boa leitura!

_______________________________________

T. Angel: Quando você fez o seu eyeball tattooing?
Karine Guimarães: Fevereiro de 2013.

 

10588862_934964063187283_1846258791_n

T. Angel: Quem realizou o procedimento?
Karine Guimarães: Rafael Leão.

10595856_934964059853950_1718826990_n

T. Angel: Você esteve e está ciente de todos os riscos que envolve o procedimento?
Karine Guimarães: Sim, procurei me informar bastante sobre os riscos antes de passar pelo procedimento.

10567947_934964053187284_1320139129_n

T. Angel: Como está a sua saúde ocular hoje?
Karine Guimarães: Está tão boa quanto antes.

10590010_934963916520631_174916662_n

T. Angel: Você “retocou” o procedimento? Se sim, por quê?
Karine Guimarães: Não precisei de retoques, meu olho não ficou com nenhuma falha.

10588620_934963909853965_1391828311_n

T. Angel: Em algum momento teve problema leve ou grave por conta do eyeball tattooing?
Karine Guimarães: Só durante as primeiras horas após o procedimento, minha esclera ficou MUITO inchada…Tanto que quando eu fechava os olhos dava pra ver um bolsa pra fora. Ficou mais alto que a córnea e isso me assustou um pouco, porque já tinha visto outros eyeball cicatrizando de perto e não aconteceu isso. Fiz compressa com água gelada e usei colírio para conjuntivite. No outro dia tudo estava normal.

10589845_934964046520618_1815615642_n

T. Angel: Fala-se muito de uma super sensibilidade à luz, você passa por isso?
Karine Guimarães: Não agora, mas passei nos 3 primeiros dias do procedimento. Sempre andava de óculos escuros, até mesmo longe do sol.

10544913_934963913187298_1840687370_n

T. Angel: Fala-se também sobre pessoas que pigmentaram os olhos e lacrimejam sem parar, com você acontece isso?
Karine Guimarães: Não, não notei nenhuma diferença.

T. Angel: Passou por alguma consulta no oftalmologista depois do procedimento? Se sim, quando e como foi?
Karine Guimarães: Só tive coragem de ir a um oftalmologista agora, quase dois anos depois do meu procedimento. Já sofri preconceito com médicos por minhas modificações e tinha medo que acontecesse de novo, então como não tive nenhuma reação diferente, evitei a consulta. O que foi uma grande burrice, pois quando resolvi ir fui muito bem recebida e tirei todas as minhas dúvidas!
Ela me disse que a chance de perder a visão é mais durante o procedimento. Se cometerem o erro grotesco de acertarem a córnea ou então uma reação alérgica a alguma tinta inapropriada que o corpo pode ver como um “corpo estranho” e o sistema imunológico tentar expelir.Me disse que depois de tanto tempo meu corpo já aceitou a tinta e que provavelmente nunca terei problemas com isso. Mesmo assim ela quer acompanhar meus olhos com frequência pra ver se com o tempo percebe alguma diferença… Abriu espaço pra eu levar outras pessoas com eyeball tattoo também como voluntários para o estudo, quem se interessar pode entrar em contato comigo.

10581660_934964049853951_1560096239_n

T. Angel: Sente que a visão foi prejudicada por conta do procedimento?
Karine Guimarães: Minha visão não foi nada prejudicada, inclusive minha oftalmo disse que a chance disso acontecer é praticamente nula, no meu caso.

T. Angel: As pessoas que são contra a prática do eyeball tattooing no Brasil, em sua maioria, alegam que quem pigmentou os olhos está ficando cego. Você está ficando cega?
Karine Guimarães: Não estou ficando cega! E também nenhum dos meus amigos com eyeball me apresentaram reclamações quanto aos seus olhos.

10596000_934964043187285_1423211411_n

T. Angel: Você se arrepende em algum momento de ter realizado o procedimento?
Karine Guimarães: Arrependimento nunca passou pela minha cabeça, fiz ciente do que queria e sou 100% satisfeita com o resultado que tive.

T. Angel: Você é contra o projeto de lei que pretende tornar crime o eyeball tattooing no Brasil?
Karine Guimarães: Sim, sou contra! Ninguém tem o direito de controlar o que o outro faz com seu PRÓPRIO CORPO! Tantos problemas mais sérios acontecendo no nosso país!!! Acho que a proibição só vai tornar a técnica mais clandestina ainda, ningém vai parar de fazer! Só não vai evoluir e provavelmente regredir ainda mais. Sou contra a banalização também, acho que deve haver uma atenção maior quanto a isso. Com profissionais mais éticos, que alertam aos riscos e que queiram conhecer melhor o psicológico e vida dos seus clientes antes de pigmentar seus olhos.

10585718_934964056520617_587329622_n

T. Angel: Qual a sua posição diante das críticas e manifestações de pessoas da comunidade da modificação do corpo, que querem que o procedimento seja banido e se torne crime?
Karine Guimarães: Achei falta de respeito a posição deles em generalizarem pessoas com eyeball tattooing como um todo… Fazendo flyers nos chamando de egocêntricos, dizendo que nosso ego pode cegar! Feio! Feio! A posição que tomaram, ainda mais vindo de dentro da comunidade da modificação. Acho que deveriam medir melhor suas palavras pois cada um teve seus próprios motivos. Eu teria vergonha de compartilhar isso se estivesse na posição deles. Quer ser contra e banir o procedimento? Respeito a posição, opinião cada um tem a sua. Cada um tem seus motivos, mas estão jogando com o lado pessoal, dizendo que estamos passando por coisas que ninguém afirmou publicamente. Cadê as pessoas que não param de lacrimejar por 30 minutos e estão ficando cegas??? Por que não as procuram e as entrevistam também? Até agora são só informações, sem fatos… O fato que estamos vendo é que todos os entrevistados até agora estão satisfeitos e enxergando muito bem!

 

___________________

 Para assinar o repudio ao projeto de lei que pretende tornar crime o eyeball tattooing, clique no link abaixo:
https://secure.avaaz.org/po/petition/Deputado_Rogerio_Peninha_Mendonca_PMDBSC_Pedimos_o_arquivamento_imediato_do_PL_57902013/?cWKTwfb

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×

About T. Angel

No cenário da modificação corporal brasileiro desde 1997, inicialmente como entusiasta e posteriormente atuando no campo da pesquisa. Parte de seu trabalho está incluso no livro "A Modificação Corporal no Brasil - 1980-1990" e grande parte depositada aqui no FRRRKguys.com.br.