Interview with Allen Falkner

0 Flares 0 Flares ×

ENGLISH | PORTUGUÊS

INTRODUCTION:

Reflections about the contemporary body suspension take us automatically to Allen Falkner, known as the father of modern suspension.
I’ve been hours studying his trajectory, I have been waiting days for every single answer and full of pride, admiration and respect we bring to you all an exclusive interview with one of the most important names on body suspension of the world!


T. Angel:
Among the most important influences in your work are the book “Modern Primitive” (1986) and the artists, Stelarc and Fakir Musafar. Any other name could be added in this list?
Allen Falkner: Of course I can always add names to the list, but I think the most important of those is Jim Ward, founder of Gauntlet. Without his contributions to the piercing industry, body modification, as we know it would be a very different and my life would never be what it is today.

T. Angel: You said that you first suspension (a coma, 1992) was quite traumatic. How long do you feel prepared for a second attempt? Tell us a little about this process and how was the second experience.
Allen Falkner: After my first suspension, I really wasn’t sure if I wanted to hang again. I think my motivation had more to do with trying to figure out what went wrong than an actual desire to suspend. Before I attempted my second suspension, I experimented with pulls and flesh ripping. I was quite surprised how much weight the skin could take and also the amount of tension I could put on a single hook by slowly pulling and building pressure.
Once it came time to do the second suspension I was much more prepared, not only mentally, but our technique and process had advanced dramatically.

T. Angel: In 1993 you start to suspend people. Could you describe the sensation of the first time?
Allen Falkner: I think the best word to describe my experience was, unprepared. I had no clue what I was doing and only the most rudimentary suspension skills, if you can even call them that. The first person I ever hung was my roommate, Ron. (aka Spoony) We used tiny fishhooks, probably not much bigger than 16 gauge, and we used a lot of them. I’m guessing at least 30 hooks. The suspension went well with only a few problems. I think the best way to describe the experience was exhilarating and frightening.

T. Angel: In 2001 you had 30% of your body tattooed, 8 years later there is still some space?
Allen Falkner: In 2001 I had my full back, right arm, sides and my abdomen tattooed. Now I have my left arm, my chest, armpits and few other places, left side of neck, part of my hands and my a piece on my scrotum, but my legs and butt are still uncovered. I guess this brings me up to about 50% coverage. One day soon I will start on my legs, but I have yet to map them out and I want the pieces to be well done. So, I am taking my time and when the time is right I will start on them.

T. Angel: You became a great specialist in male genital piercing, through your contact with the gay community. Where and when was it exactly?
Allen Falkner: I opened my first shop Obscurities in 1992. I sold that shop in 2007, but that’s another story all together. Two old friends of mine Jenneane and Buddy owned a vintage clothing store in the heart of the gay community. They had a back room they weren’t using that they rented out to me for the shop. At the time I knew very little about the community, but I am open-minded and everyone was super friendly. It wasn’t long before the piercing craze took off and I was incredibly busy. Besides all the gay men that were coming in for genital piercings, many of the other shops in town were refusing to do male genitals and they often sent them to me. Suddenly I became the go-to guy to have your penis pierced.
It was rather funny but I used to tell people all the time, “I own a successful business in the gay and lesbian area. I have hundreds, possibly thousands of gay male fans. I handle cock all day at work. If I was gay, my life would be perfect.”

T. Angel: You already been at Brazil, tell us your experience here?
Allen Falkner: My mother is Brasilian, so Rio and Sao Paulo are my homes away from home. I’ve only ever been twice, but I love Brasil. There was once a time when I was looking into dual citizenship and thinking about trying to work there. My idea was to work in the US, 6 months then Brasil 6 months so I could have an endless summer. Unfortunately it just didn’t work out. Plus my Portuguese is terrible. I understand very little these days and I speak even less. But, in answer to your original question, I love Brasil and hope to make it back again some day.

T. Angel: Nowadays we have a big number of people doing suspension and by the several possible reasons. What’s your conception about the current suspension’s scene?
Allen Falkner: Suspension has been growing all over the world, but unfortunately most people don’t have any training. Luckily, this is starting to change. More and more I see people coming together forming groups, and these groups are starting to travel to work with other people to improve their skills. I still think the suspension community needs more education and better equipment. Also, we need to work together. People in the body modification world often work alone. This needs to change. The more we work with each other, the more we learn and ultimately the safer our art becomes.

T. Angel: How is your work with the TSD?
Allen Falkner: These days my main focus is on teaching and helping the community. I still hang regularly, but am basically retired from performing. I love suspension, but I’m getting too old to keep putting on crazy shows, I will leave that to the younger generation.
Now my I devote most of energy to helping spread education. Back in April I organized a suscon that was designed for practitioners. We had class on suturing taught by Brian Decker or ROP suspension group. A performance roundtable led by Steve Joyner of CoRE and Havve Fjell from Wings of Desire/Pain Solution. We even had a rigging class taught be a Cirque Du Soleil rigger. Although the suscon had it’s problems, I feel that everyone walked away from the convention with more knowledge and better understand of suspension safety and dynamics.

T. Angel: Do you work as a piercer yet?
Allen Falkner: I guess I still work as a piercer, but it’s been a while since I’ve done any piercing. When I sold my shop in 2007, I changed my focus to laser tattoo removal: www.fadefast.com I know this might seem like a strange transition but it’s really not. Now I work with heavily tattooed people to lighten existing work so they can get it recovered with a better piece. I don’t see lasers as anti-tattoo. I see them as the next logical step in improving bad tattoos

T. Angel: For you, what’s the future of suspension?
Allen Falkner: Who knows what the future holds? I think suspension will continue to gain popularity and the art will become more accepted by the average person.
As for me, I want to keep focusing on education, improving our equipment and establishing better safety protocols. The suspension community is growing so fast, but our knowledge doesn’t seem to get passed along fast enough. My goal is to teach and to learn from as many suspension practitioners as possible. If I could spend all my time traveling and focusing on suspension I would. Maybe one day I can afford to do that.

T. Angel: Leave a message for every people who admire your work, especially for us, brazilian!
Allen Falkner: If you are interested in getting involved in suspension please do your research. There is lots of information out there and so many people that want to help you. Don’t go at it alone. Suspension is a dangerous activity and should only be attempted under supervision of trained professionals.

INTRODUÇÃO:
Reflexões acerca da suspensão corporal contemporânea nos encaminham automaticamente à Allen Falkner, conhecido como o pai da suspensão moderna.
Foram horas estudando sua trajetória, foram dias esperando cada resposta e é com muito orgulho, admiração e respeito que trazemos para vocês uma entrevista exclusiva com um dos principais nomes da suspensão corporal do mundo!

T. Angel: Entre as principais influências em seu trabalho estão o livro “Modern Primitive” (1986) e os artistas, Stelarc e Fakir Musafar. Algum outro nome poderia ser acrescentado nessa lista?
Allen Falkner: Claro, eu sempre posso adicionar nomes à lista, mas penso que o mais importante destes é Jim Ward, fundador da Gauntlet. Sem suas contribuições para a indústria do piercing, a modificação corporal como conhecemos, seria muito diferente e minha vida nunca seria o que é hoje.

T. Angel: Você disse que a sua primeira suspensão (um coma, 1992) foi muito traumática. Qual o tempo pra você se sentir preparado para uma segunda tentativa? Conte-nos um pouco sobre este processo e como foi a segunda experiência.
Allen Falkner: Após a minha primeira suspensão, eu realmente não estava certo se eu queria me pendurar de novo. Acho que minha motivação teve mais a ver com tentar descobrir o que ocorreu errado, do que um desejo real de ser suspenso. Antes de tentar minha segunda suspensão, eu experimentei pulls e flesh ripping (rasgar carne). Fiquei muito surpreso com a quantidade de peso que a pele poderia aguentar e também com a quantidade de tensão que eu poderia colocar em um único gancho por puxar lentamente e fazer pressão.
Uma vez que chegou a hora de fazer a segunda suspensão eu estava muito mais preparado, não só mentalmente, mas a nossa técnica e processos tinham avançados dramaticamente.

T. Angel: Em 1993 você começa a suspender pessoas. Poderia descrever a sensação da primeira vez?
Allen Falkner: Eu acho que a melhor palavra pra descrever minha experiência é, despreparado. Não tinha idéia do que eu estava fazendo e somente as mais rudimentares habilidades com suspensão, se é que você pode mesmo chamar assim. A primeira pessoa que eu pendurei foi meu companheiro de quarto, Ron (aka Spoony). Usamos minúsculos anzóis (fishhooks), provavelmente não muito maior do que 16 gauge (1.2 mm), e usamos um monte deles. Acredito que pelo menos 30 anzóis. A suspensão foi bem com apenas alguns problemas. Acho que a melhor maneira de descrever a experiência foi: emocionante e assustadora.

T. Angel: Em 2001 você tinha 30% do seu corpo tatuado, 8 anos depois ainda tem algum espaço?
Allen Falkner: Em 2001 eu tinha tatuado minhas costas inteira, braço direito, laterais e meu abdômen. Agora eu tenho meu braço esquerdo, peito, minhas axilas e alguns outros poucos locais, lado esquerdo do pescoço, partes das minhas mãos, uma peça no escroto, mas minhas pernas e bunda ainda estão descobertas. Creio que tenho aproximadamente 50% do corpo coberto. Um dia (em breve) vou começar com as minhas pernas, mas eu ainda tenho que mapeá-las e quero peças bem feitas. Então, estou tendo o meu tempo e quando for a hora certa, vou começar tatuá-las.

T. Angel: Você se tornou um grande especialista em piercing genital masculino através do seu contato com a comunidade homossexual. Onde e quando foi isso exatamente?
Allen Falkner: Eu abri minha primeira loja Obscurities em 1992. Vendi a loja em 2007, mas isso é uma outra história, todas juntas. Dois velhos amigos meus Jenneane e Buddy eram proprietários de uma loja de roupas vintage no coração da comunidade gay. Eles tinham uma sala nos fundos que não usavam, então alugaram pra mim, para a loja. Na época eu sabia muito pouco sobre a comunidade, mas sou mente aberta e todos foram super amigáveis. Não foi muito antes da mania do piercing estourar e eu estava incrivelmente ocupado. Além de todos os gays que estavam entrando para fazer piercing genitais, muitas das outras lojas da cidade estavam recusando fazer genitais masculinos e elas frequentemente enviavam para mim. De repente eu me tornei o “vá no cara” para ter seu pênis perfurado!
Foi bastante divertido, mas eu costumava dizer às pessoas o tempo todo, “eu sou dono de um negócio bem sucedido na área gay e lésbica. Tenho centenas, talvez milhares de fãs gays do sexo masculino. Eu manipulo pintos o dia inteiro no trabalho. Se eu fosse gay, minha vida seria perfeita.”

T. Angel: Sabemos que você já esteve no Brasil, conte pra gente como foi sua experiência aqui?
Allen Falkner: Minha mãe é brasileira, então Rio e São Paulo são meus lares distantes de casa. Eu fui somente duas vezes, mas eu adoro o Brasil. Houve uma época em que eu estava procurando pela dupla cidadania e pensando sobre tentar trabalhar ai. Minha idéia era a de trabalhar 6 meses nos USA, em seguida, 6 meses no Brasil, assim eu poderia ter um verão interminável. Infelizmente, isso simplesmente não deu certo. E ainda, meu português que é terrível. Entendo muito pouco hoje em dia e falo menos ainda. Mas, em resposta à sua pergunta inicial, eu amo o Brasil e espero voltar novamente algum dia.

T. Angel: Hoje temos um grande número de pessoas fazendo suspensão e por várias razões possíveis. Qual é a sua concepção acerca da cena atual da suspensão?
Allen Falkner: A suspensão tem crescido em todo o mundo, mas infelizmente a maioria das pessoas não tem qualquer formação. Felizmente, isso está começando a mudar. Mais e mais eu vejo pessoas que vêm em conjunto formando grupos, e esses grupos estão começando a viajar para trabalhar com outras pessoas para melhorar as suas competências. Eu ainda acho que a comunidade da suspensão precisa de mais instrução e melhores equipamentos. Além disso, precisamos trabalhar juntos. As pessoas no mundo da body mod frequentemente trabalham sozinhas. Isto precisa mudar. Quanto mais trabalhamos uns com os outros, mais se aprende e, finalmente, a nossa arte torna-se mais segura.
T. Angel: Como está o seu trabalho com o TSD?
Allen Falkner: Estes dias o meu foco principal é sobre o ensino e ajudar a comunidade. Ainda suspendo regularmente, mas estou basicamente aposentado de performar. Eu amo suspensão, mas estou ficando velho demais para me manter em shows malucos, vou deixar isso para a geração mais jovem.
Agora dedico a maior parte da minha energia para ajudar espalhar educação. Voltando em abril, eu organizei uma Suscon que foi concebida para os profissionais. Tivemos aulas sobre sutura, ensinadas por Brian Decker ou ROP grupo de suspensão. Uma apresentação de mesa redonda liderada por Steve Joyner do CoRE e Havve Fjell da Wings of Desire / Pain Solution. Nós ainda tivemos uma aula de ajustagem ensinada pelo armador do Cirque Du Soleil. Embora a Suscon tenha seus problemas, sinto que todos saíram da convenção com mais conhecimentos e uma melhor compreensão de uma suspensão segurança e dinâmica.

T. Angel: Você trabalha como piercer ainda?
Allen Falkner: Acho que ainda trabalho como piercer, mas já faz um tempo desde que eu tenha feito qualquer piercing. Quando eu vendi a minha loja em 2007, mudei o meu foco para remoção de tatuagem com laser: www.fadefast.com. Sei que isto pode parecer uma estranha transição, mas realmente não é. Agora eu trabalho com pessoas bastante tatuadas para clarear trabalhos existentes, para que possam ser recuperados com uma peça melhor. Não vejo lasers como anti-tatuagem. Vejo como o próximo passo lógico para melhorar as más tatuagens

T. Angel: Para você, qual é o futuro da suspensão?
Allen Falkner: Quem sabe o que o futuro reserva? Acho que a suspensão vai continuar a ganhar popularidade e a arte irá se tornar mais aceita pelas pessoas em geral.
Quanto a mim, quero me manter centrado na educação, na melhoria dos nossos equipamentos e o estabelecimento de melhores e seguros protocolos. A comunidade da suspensão está crescendo muito rápido, mas o nosso conhecimento parece não acompanhar junto e rápido o suficiente. O meu objetivo é o de ensinar e de aprender com tantos profissionais da suspensão possíveis. Se eu pudesse passar todo o meu tempo viajando e focando na suspensão eu faria. Talvez um dia eu possa me dar ao luxo de fazer isso.

T. Angel: Deixe uma mensagem para todas as pessoas que admiram o seu trabalho, especialmente para nós, brasileiros!
Allen Falkner: Se você estiver interessado em se envolver com suspensão faça sua pesquisa. Há uma grande quantidade de informações por aí e muitas pessoas que querem ajudá-lo. Não faça sozinho. Suspensão é uma atividade perigosa e só deve ser tentada sob a supervisão de profissionais treinados.
Contact:
www.allenfalkner.com
www.obscurephoto.com
www.suspension.org
www.fadefast.com

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×

1 thought on “Interview with Allen Falkner”

Deixe uma resposta