Museu italiano tem exposição “Tatuagem. História do Mediterrâneo”

0 Flares 0 Flares ×

O MUDEC – Museo delle Culture localizado em Milão, Itália, está com a exposição Tatuagem. História do Mediterrâneo. Iniciada em 28 de Março, a mostra segue em cartaz até 28 de Julho de 2024 e contou com a curadoria da Luisa Gnecchi Ruscone e Guido Guerzoni com a colaboração de Jurate Francesca Piacenti.

Emma et Frank De Burgh 1886 Charles Lévy (ed.) Manifesto
Musée Carnavalet – Histoire de Paris, Parigi

Abaixo reproduzimos o release traduzido da exposição.

O que é tatuagem? Por que fazemos tatuagens hoje? Serão escolhas pessoais ditadas por necessidades profundas ou decisões tomadas levianamente, porque “hoje todo mundo faz isso”? E, sobretudo, que histórias se escondem atrás de uma placa, para sempre “nossa”?

Uma tatuagem pode ser uma mensagem para mostrar aos olhos do mundo, um enfeite que nos convence ou nos ilude de que somos únicos, um voto cumprido ou uma lembrança lúdica, um símbolo de pertencimento ou uma declaração de independência, uma prova de amor ou luto.


O interesse do museu nasceu destas considerações sociais e culturais, que pretendia aprofundar o conhecimento das práticas, rituais, formas e expressões que se encontram em qualquer época e em todos os cantos da terra – desde a antiguidade até hoje – através um projeto expositivo que aborda a tatuagem do ponto de vista histórico, antropológico e cultural, a partir dos locais onde foram encontradas as suas primeiras evidências irrefutáveis: a bacia do Mediterrâneo.

A exposição original “Tatuagem. Histórias do Mediterrâneo”, produzida por 24 ORE Cultura – Gruppo 24 ORE e promovida pela Câmara Municipal de Milão-Cultura, com curadoria de Luisa Gnecchi Ruscone e Guido Guerzoni, com a colaboração de Jurate Francesca Piacenti, traça a história da tatuagem, desde as evidências da pré-história até hoje, centrando-se em particular na área do Mediterrâneo, mas também exibindo materiais não europeus que facilitam a comparação de um fenômeno global.

Ao longo dos milénios, de fato, a tatuagem foi gradualmente assumindo diferentes formas, significados e funções: as pessoas tatuavam-se voluntariamente para prevenir e tratar doenças, declarar a sua posição, expressar a sua fé ou celebrar ritos de passagem ou podiam ser tatuados “por força”, como escravos, desertores ou condenados, para trazer marcas indeléveis de infâmia.

Foi com Cesare Lombroso, Alexandre Lacassagne e outros chamados “antropólogos criminais” que entre meados do século XIX e início do século XX as tatuagens foram associadas a pessoas marginais, prisioneiros e “desviantes”. Nasceu assim o preconceito contra uma prática considerada “primitiva e atávica”, indigna do homem “civilizado”, com a consequente afirmação no seio de subculturas específicas que orgulhosamente a presidiram até ao recente sucesso global de massas, que tornou socialmente aceite a modificação corporal, como além de extremamente popular.

Dentro de uma exposição cenográfica multimídia e interativa criada pelo estúdio de design Dotdotdot, uma rica documentação de objetos, artefatos históricos, instrumentos, materiais sonoros, videoinstalações, infográficos, gravuras, textos e reproduções de diversas instituições e acervos museológicos, como o Museu Arqueológico do Alto Adige dedicado à descoberta do “Homem de Gelo”, o Museu de Antropologia Criminal “Cesare Lombroso” da Universidade de Turim e o Museu Nacional de Artes e Tradições Populares de Roma e a Pontifícia Delegação Pontifícia para o Santuário de da Sanata Casa de Loreto, até as coleções particulares do Queequeg Tattoo Studio & Museum de Gian Maurizio Fercioni em Milão.


Começando por Ötzi, o homem tatuado mais antigo cujo corpo até agora foi encontrado em estado de mumificação natural, até aos antigos egípcios com o testemunho fundamental da múmia da mulher tatuada de Deir El Medina, o percurso acompanha o visitante numa colagem evocativa caleidoscópica de imagens, cores e experiências contadas pelos tatuadores de hoje, que apresentam ao público a realidade multifacetada da tatuagem contemporânea e uma contínua apropriação e reinterpretação de significados e mensagens culturais.

Detenuto tatuato, Inizio XX secolo, Aristotipo.
Courtesy Museo di Antropologia Criminale Cesare Lombroso – Università di Torino

SERVIÇO

Tatuagem. História do Mediterrâneo
Mudec – Museo delle Culture
via Tortona 56, Milano
28 marzo 2024 – 28 luglio 2024

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×