#PelePretaTatuada: projeto de tatuador baiano traz novo fôlego para a cena da tatuagem e empoderamento

0 Flares 0 Flares ×


12043024_478261395668140_8297724538502189075_nFotos:
#PelePretaTatuada / Divulgação

O projeto #PelePretaTatuada foi criado há aproximadamente um ano pelo tatuador e grafiteiro da Bahia, Finho. E é fato que o projeto chega trazendo um novo fôlego para a cena da tatuagem e não só isso, nos fazendo refletir sobre muitas questões. Ah! E o empoderamento, traz muito empoderamento e isso não pode ser esquecido.

Quando Finho começou a tatuar em 2000 percebeu que não havia a presença da pele negra nos catálogos dos profissionais.  Compartilhamos da mesma percepção já faz um tempo e é o que tem nos feito fazer diversos questionamentos sobre o motivo pelo qual é nula – ou bastante baixa – a presença de pele negra na maioria dos portfólios dos tatuadores e tatuadoras do Brasil. Com pesar lembramos da dificuldade que foi escrever a matéria Algumas reflexões sobre a tatuagem em pele negra, justamente porque a maioria dos e das profissionais que conversamos não faziam ou não tinham registros de tatuagens feitas em pele negra. Naquele momento procuramos por um especialista em pele negra para poder conversar e não havia um, o que era triste, mas que muda agora com o trabalho e posicionamento de Finho. Ainda bem!

Sobre os questionamentos que temos feito, a nossa hipótese principal é que existe uma forma de racismo bastante cruel na relação que envolve a pele negra tatuada, e que fique claro, relação essa que sempre envolve uma pessoa. Em síntese dizemos que a relação é cruel porque é sobretudo excludente. A ideia de que a tatuagem no corpo negro não fica boa ou bonita, não é só um apontamento estético, é um apontamento racista. E assim esse tipo de pele foi retirado dos portfólios, catálogos, revistas de tatuagem e qualquer coisa que fosse relacionado com o tema. É como se esse tipo de pele não servisse ou não fosse boa o suficiente, o que é um pensamento assustador em qualquer parte do mundo, mas principalmente no Brasil, onde segundo dados do IBGE de 2007 mais de 50% da população se declara não branca.

Nas competições que acontecem nas convenções de tatuagem brasileiras, a presença de pele negra é baixíssima. A procura dos e das profissionais é sempre pela tal da pele branca, como se fosse a única possibilidade de se trabalhar. Será que não chegou o tempo de rever essa postura? Ou melhor, será que já não passou do tempo de rever essa postura? Aja vista a visibilidade que esses eventos ganharam, acreditamos que seja uma questão importante deveras e que não pode mais passar despercebida. Lembrem-se que até pouco tempo atrás era baixíssima a presença de mulheres tatuadoras nesses eventos. Quando elas quiseram competir, criaram uma categoria específica e separada para elas, o que foi um erro sem precedentes e corrigido em tempo. Mas precisou senso crítico apurado.  E precisamos desse mesmo senso crítico bastante ativo agora, só assim teremos mudanças efetivas e uma maior presença da pele e do corpo negro no meio da tatuagem. Repetimos, a discussão nunca foi apenas sobre estética.

Não é só a ausência e a invisibilidade do corpo negro tatuado que está posta no meio da tatuagem, mas a própria dificuldade técnica de se produzir um bom trabalho. O desinteresse e negligencia por esses corpos, que é algo vergonhosamente evidente, leva automaticamente a falta de informação e conhecimento sobre como trabalhar com peles não brancas. O que felizmente parece começar a mudar com o trabalho que vem sendo realizado por Finho. Repetimos, ainda bem!

12509493_510125479148398_1887920492747693390_nFoto: Helemozão

Em matéria do IBahia, o tatuador Finho conta que:

 

“Percebi que muitos negros se tatuam, mesmo com essa noção esquisita. Isso acaba sendo mais uma barreira a ser quebrada”

 

A noção esquisita que se fala é justamente a ideia racista de que corpos negros não podem ser tatuados. Assim, através do #PelePretaTatuada o tatuador e idealizador do projeto passou a criar referências para pessoas de pele negra. Juntou-se a fotógrafa Helemozão e passaram a fotografar amigos e clientes negros com seus corpos tatuados. Um trabalho belíssimos de se ver, diga-se de passagem.

Além disso, Finho passou a fazer desenhos que valorizam a diáspora africana, como cabeças de mulheres negras, o que reverberou em um outro projeto, o Cada Cabeça Uma África. “Ele é uma parte do #pelepretatatuada. Dei esse nome a uma série de desenhos que estou fazendo de mulheres africanas usando joias, óculos e outros acessórios”, contou ao Ibahia.

1450669_531528220341457_8258849316009249364_n

Foto: Helemozão

Finho vem para reforçar a ideia que já havíamos trabalhado no texto Algumas reflexões sobre a tatuagem em pele negra, que é questão das cores das tatuagens. A escolha do preto e cinza, e, por exemplo, a técnica de sombreamento são possibilidades que aumentam a qualidade dos trabalhos de tatuagem em pele negra. Claro que se pode usar cores em seus desenhos, mas é importante um diálogo sincero com o ou a profissional que for te tatuar.

Uma outra questão importante é com o processo de cicatrização, como a pele negra tem mais propensão a ter queloides é bom ter bastante cuidado. Como bem pontuou o texto Tatuagem em pele negra: dicas valiosas para fazer a sua! de Filipe Lopes no Tattoodoo, se você já tem um histórico de queloides em seu corpo ou de sua família o ideal é que se procure um dermatologista e tenha uma conversa amigável sobre o que pode ser feito, afim de não prejudicar o resultado final do desenho em seu corpo.

A principal dica que o profissional deixa e que nós endossamos com bastante força também, é que se você tem a pele negra e deseja fazer uma linda tatuagem, procure um ou uma profissional que tenha  tatuado outras pelas negras, que tenha em seu portfólio peles negras com trabalhos cicatrizados. Se estiver pela Bahia procure por Finho, caso não deixamos o convite para que você acompanhe seus projetos pela internet, o link estará no fim do texto.

Para finalizar, primeiro precisamos derrubar o racismo que circula nesse meio, depois precisamos que as e os profissionais da tatuagem se empenhem em desenvolver trabalhos tão bons quanto o que já fazem em pele branca e não temos dúvida que com o surgimento de novas tecnologias, podem inclusive surgir máquinas e tintas específicas para se trabalhar com peles negras, nas mais variadas colorações. Outros mundos são possíveis de existir, mas precisamos assumir que temos muito para melhorar.

CONTATO
https://www.facebook.com/finhosoueu/

 

REFERÊNCIAS

Projeto de tatuador baiano cria referências para tatuagens em pele negra
http://www.ibahia.com/detalhe/noticia/projeto-de-tatuador-baiano-cria-referencias-para-tatuagens-em-pele-negra/?cHash=34bac6f931d723247692921a1fde1aaf

 

Tatuagem em pele negra: dicas valiosas para fazer a sua!
https://www.tattoodo.com/a/2015/06/tatuagem-em-pele-negra-dicas-valiosas-para-fazer-a-sua/
Algumas reflexões sobre a tatuagem em pele negra
http://www.frrrkguys.com.br/algumas-reflexoes-sobre-a-tatuagem-em-pele-negra/


Mais brasileiros se declaram negros e pardos e reduzem números de brancos

http://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/13/politica/1447439643_374264.html

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×

About T. Angel

No cenário da modificação corporal brasileiro desde 1997, inicialmente como entusiasta e posteriormente atuando no campo da pesquisa. Parte de seu trabalho está incluso no livro "A Modificação Corporal no Brasil - 1980-1990" e grande parte depositada aqui no FRRRKguys.com.br.