Tatuagens, homossexualidade e música sertaneja em novo vídeo do cantor Thiago di Melo

0 Flares 0 Flares ×

Fotos: divulgação

img_2567

No começo de Maio passou a circular na imprensa nacional que o cantor Thiago di Melo lançaria o videoclipe da música ‘Para sempre’, com o desejo de quebrar a heteronormatividade dentro do  seguimento musical. O cantor disse que a abordagem da paixão entre dois rapazes é para mostrar como “um amor é igual a qualquer outro”. A escolha em ter como protagonista o ator global Felipe Titto sem dúvida alguma é um dos motivos da repercussão.

O grande acerto do projeto foi a declarada colaboração com a questão da conscientização sobre a doação de órgãos para transplantes, inclusive, por esse motivo principalmente que escrevemos essa matéria. Com apoio do Hospital do Coração de Belo Horizonte, todo o lucro obtido com o clipe será revertido para a instituição. Iniciativa esta infelizmente pouco comum ainda no Brasil e que precisa ser multiplicada afim de reduzirmos as filas de pessoas que aguardam por um transplante.

Um outro acerto simbolicamente importante foi a data de lançamento do videoclipe, 17 de Maio, em que se celebra o Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia. É a data que lembra a exclusão da homossexualidade  da classificação de doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 17 de Maio de 1990, oficialmente declarada em 1992.

Um artista levantar a voz contra a heteronormatividade dentro de qualquer seguimento que seja é algo realmente muito importante, mas é preciso atenção, embasamento e senso crítico para não repetir graves falhas ou negligências. Abaixo destrinchamos alguns pontos que consideramos importantes e dignos de atenção.

img_4959

– O primeiro problema que vemos está na escolha do ator protagonista Felipe Titto, que é heterossexual. Explicamos… Em síntese, historicamente os gays sofreram um longo e extenso processo de exclusão, perseguição e extermínio que segue até os dias atuais. É sabido que muitos atores são forçados a permanecer dentro do armário, isto é, impedidos de viverem abertamente suas sexualidades, pois dentre tantas violências que os cercam, está também a de não conseguir grandes papeis e ter a carreira comprometida. Obviamente que tivemos grandes atores que enfrentaram e seguem enfrentando essa situação que ainda vigora, mas não podemos negar que seja ainda um problema que precisa ser enfrentado. Então é bastante problemático quando um projeto discursa que pretende mostrar o romance entre dois homens, mas escolhe atores heterossexuais e não homossexuais. Ainda que seja uma ficção, existe uma urgência política e de vida não ficcional que não pode ser mais ignorada e negligenciada. Representatividade importa.

– O segundo problema que vemos é na escolha dos padrões que o projeto trabalhou. Já dissemos que o protagonista é heterossexual  e é essa mesma heterossexualidade compulsória que está ali berrando o tempo todo, embora diga-se que se trata de um romance gay.  Afora isso é o relacionamento de dois homens ricos, brancos e malhados, ou seja, padrões palatáveis ao discurso hegemônico e que tem sido explorado a exaustão. Como única possibilidade possível é esse o formato que circula no clipe e em todo resto (novelas, filmes, revistas, etc), o que é um grande problema. Por ser sempre a única possibilidade mostrada, não representa a diversidade e pluralidade humana, em outras palavras, é excludente.

img_4844

– O terceiro problema – somado dos anteriores – é a necessidade de justificar toda a escolha para “não chocar o público” (sic), principalmente quando se escolhe em não mostrar um beijo ou qualquer relação maior de proximidade, intimidade e afeto. “Um amor igual a qualquer outro” que se assemelha ao “todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais que os outros” de George Orwell. A relação de amor entre os dois homens do videoclipe é superficial e falsa, não convence e não encanta. Em diferentes matérias que lemos sobre o vídeo aparece esse eco, que reforça a ideia homofóbica de que o relacionamento amoroso entre dois homens ainda precisa ter um tratamento diferenciado para não chocar, não ultrajar, não ofender a moral e os bons costumes. Veja, se você assume publicamente que pretende realizar um projeto sobre um romance entre dois homens, encare.  Ficar com firulas justificando as escolhas para obviamente esconder e ocultar aquilo que se propôs mostrar, talvez seja melhor repensar o que se pretende e repensar inclusive seu papel como sujeito histórico no mundo.

img_5023

Adendo – Existe uma repetição gestual em que o ator Guilherme Acrizio deposita a mão sobre a fronte do Felipe Titto, como uma forma de carinho. A cena repetida nos remeteu ao filme Bent (1997) que conta a história de dois homossexuais em um campo de concentração nazista. Como o afeto e principalmente o toque eram proibidos pelo risco de fuzilamento, eles diziam que se amavam passando o dedo na sobrancelha. Para ocultar os beijos de agora, o toque que nos remeteu ao fuzilamento de outrora e isso não nos soa bem.

– O quarto problema é a tragédia do vídeo. É certo que o distanciamento com as questões LGBT, ou mais especificamente a G, não pode acontecer em um projeto que pretender falar sobre relacionamentos homoafetivos. O distanciamento a qual nos referimos não é nem com a  militância gay, mas com os assuntos que atravessam essa comunidade. Veja, sobre a homossexualidade forçosamente criam se modos para não se discuti-la, especialmente em público. A guerra que vem sendo travada para não se discutir sobre gênero nas escolas é um exemplo e bastante atual e crítico do nosso momento político. A tragédia dentro dos filmes (longas, curtas, videoclipes, etc) que abordam a temática gay é um lugar comum. A grande maioria dos filmes em que há romance homossexual os finais são trágicos e talvez esse seja o maior spoiler que demos, embora seja óbvio e claro para qualquer pessoa. Como já dissemos acima, a história dos homens gays realmente é marcada por opressão, perseguição e exclusão, mas como muito bem lembra o livro A little gay history – desire and diversity across the world, ela é igualmente marcada por ser irrepreensível e de constante resistência.  É uma história que vai muito além da repetição de tragédias. A insistente repetição nos finais tristes e trágicos, pensando aqui nas abordagens com homens gays, é quase sublinhar que para essas pessoas é só o que tem. Não é só isso, precisamos começar a pensar em mostrar que para elas que há muito mais além do arco-íris.

Muito legal ver ser escolhido um ator com inúmeras tatuagens visíveis para o projeto, mas aqui é um daqueles claros casos em que só a tatuagem não basta, tendo em vista o contexto todo. Obviamente que décadas atrás seria impensável vermos um ator tatuado representando um gay em um videoclipe sertanejo. Principalmente representando aquilo que é belo e bom. Reconhecemos os avanços que tivemos, mas não podemos nos acomodar nessa zona de conforto e por isso todos os apontamentos anteriores. Há muito para melhorarmos no sentido da construção de um mundo acessível para a maioria das pessoas e essa é uma luta que é para sempre, tal qual o título da canção.

Por fim, mas que tenhamos tantos novos recomeços, declare-se como uma pessoa doadora de órgãos, converse com seus familiares e exponha seu desejo. Salve vidas!

Assista o vídeo abaixo:

REFERÊNCIAS

Cantor grava clipe com romance gay e quebra heteronormatividade do ritmo sertanejo
http://acapa.virgula.uol.com.br/cultura/cantor-grava-clipe-com-romance-gay-e-quebra-heteronormatividade-do-ritmo-sertanejo/3/3/28064

Felipe Titto vive romance gay em clipe sertanejo do cantor Thiago di Melo; assista!
http://acapa.virgula.uol.com.br/cultura/felipe-titto-vive-romance-gay-em-clipe-sertanejo-do-cantor-thiago-di-melo-assista!/3/9/28109

Conheça ator que fez par romântico com Felipe Titto em clipe sertanejo
http://ego.globo.com/famosos/noticia/2016/05/conheca-ator-que-fez-par-romantico-com-felipe-tito-em-clipe-sertanejo.html

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×

About T. Angel

No cenário da modificação corporal brasileiro desde 1997, inicialmente como entusiasta e posteriormente atuando no campo da pesquisa. Parte de seu trabalho está incluso no livro "A Modificação Corporal no Brasil - 1980-1990" e grande parte depositada aqui no FRRRKguys.com.br.