Teen Wolf: a popularização da tatuagem através das séries

0 Flares 0 Flares ×

Fotos: reprodução / Google

teenwolf0301-0389(Scott McCall no estúdio para fazer a sua primeira tatuagem em Teen Wolf)

“Fazer uma tatuagem já significa algo.”
Scott McCall em Teen Wolf

“Tatuagens são milenares, a palavra taitiana “tatua”que dizer “deixar uma marca”. Como um ritual de passagem.”
Tatuador em Teen Wolf

Há algumas perguntas que precisamos fazer, repetida e incansavelmente. Falamos isso inspirados no site Bustle que questionou Tim Burton sobre a ausência de personagens negros em seus filmes, ocasião em que o diretor deu a resposta mais infeliz que se poderia dar. Decepções ensinam a viver e ao mesmo tempo mostram o campo – muitas vezes espinhoso – que estamos pisando.

Precisamos fazer os questionamentos e aprender a fazê-los não só pelo incomodo que certamente causam no status quo, mas justamente pelo comodismo e silenciamento compulsório que sustentam sistemas de exclusão, segregação e violência. Então, quando vermos um filme, uma novela ou uma série (e por favor, ampliem para muito além disso), precisamos questionar onde estão as atrizes não brancas (negras, orientais, indígenas, etc), onde estão? Onde estão os atores transgêneros? Onde estão as atrizes travestis? Onde estão as pessoas com deficiência que trabalham com arte? As pessoas gordas, onde estão? Além de questionarmos sobre o paradeiro dessas figuras, precisamos aprender a questionar em quais contextos normalmente elas são inseridas. Por que sempre o ator negro aparece na figura de um vilão? Por que só encontram pessoas com deficiência para figuração? Por que as pessoas gordas são sempre aquelas que precisam ser engraçadas ou servir como anedota e só? Por que as pessoas trans* são sempre representadas por pessoas cisgêneros? Atenção ao sempre, pois é assim que os estereótipos trabalham e que os sistemas de  exclusões funcionam, com as constâncias e permanências.

Dentro do nosso recorte de modificações corporais, precisamos aprender a fazer as mesmas questões. Onde estão as atrizes tatuadas? Os atores tatuados? Onde estão essas figuras além das caricaturas típicas do presidiário, do vilão, daquela que tem distúrbio mental ou desvio de caráter? Onde estão essas pessoas além da figuração, onde? Poderíamos citar incontáveis produções que trabalham com essa lógica – já fizemos algumas resenhas no FRRRKguys inclusive – e precisamos entender o quanto esses sistemas fundam uma mentalidade – ou colaboram com a manutenção dela – sobre os nossos corpos, no sentido, dos corpos que importam, ou daquelas que não importam tanto assim ou nada valem.

Enquanto atores e atrizes precisarem esconder suas tatuagens para determinado papel, precisaremos questionar. Enquanto atores e atrizes perderem papéis por conta de suas tatuagens, precisaremos questionar. Enquanto uma personagem com tatuagens for representado por uma atriz ou ator sem tatuagens, precisaremos questionar. Enquanto só usarem as pessoas tatuadas para representarem a vilania, aquilo que é ruim ou o quadro na parede ou enfeite da sala, precisaremos questionar. Pois essa lógica retira do mercado de trabalho milhares de pessoas todos os dias, ao passo que sustenta um único tipo de corpo e subjetividade possível, o que é incabível e insustentável de per si em uma sociedade dinâmica e complexa como a nossa.  É certo que essa introdução foi mais longa do que deveria, mas ainda assim, inferior ao tamanho da necessidade desses questionamentos, seguimos adiante e vamos ao assunto. Mas por favor, questionem criticamente sempre.

Definitivamente Teen Wolf (EUA, 2011), produzida pela MTV, não é a primeira série de ficção que insere a tatuagem em seu roteiro e, para desespero de algumas pessoas, não será a última. Inclusive é certo que existem outras que já o fizeram com maior intensidade, a exemplo temos Blindspot (EUA, 2015), a nova série da Warner que tem como protagonista uma agente do FBI que é bastante tatuada. E a já consagrada Prison Break (EUA, 2005), série da Fox que anunciou uma renovação de contrato, o que irá gerar uma nova temporada prevista para 2017. Mas acreditamos que Teen Wolf, a sua maneira, nos traz novas e diferentes perspectivas e sobre elas queremos escrever algumas linhas. Não desconsiderando o fato – em comparação com os dois títulos citados – de ser uma série direcionada para jovens e que escapa um pouco esse lugar comum do policialesco.

Falemos um pouco sobre Teen Wolf afim de contextualizar as pessoas que nos lerão e que por ventura não estejam familiarizadas com o enredo. Trata-se de uma série de televisão norte-americana desenvolvida por Jeff Davis (1975) para a MTV, como havíamos dito acima. A série é vagamente baseada no filme homônimo de 1985, nela, o ator Tyler Posey (1991) vive um adolescente chamado Scott McCall, que é mordido por um lobisomem e deve lidar com a forma como isso afeta a sua vida e as vidas das pessoas mais próximas a ele.

Teen Wolf estreou em 5 de Junho de 2011, na sequência do MTV Movie Awards 2011. Desde então a série vem recebendo uma resposta positiva dos críticos em geral e do público. Há de se dizer que na versão da MTV a série estaria nas categorias do drama, suspense e comédia com um tom mais obscuro, enquanto o filme de 1985 era simplesmente uma comédia.

Por tratar da temática do lobisomem, o programa traz variadas possibilidades corporais e deixa no ar sempre a chance de surgir novas espécies, o que foi potencializado na quinta temporada através das quimeras. Há sempre um devir da diversidade pulsando em cada episódio.

E é na terceira temporada que a tatuagem adentra com força na série, já pelo primeiro episódio que foi intitulado como Tattoo. Curioso é que o ator Tyler Posey, o protagonista, é um grande apaixonado pelas tatuagens. Suas tatuagens eram ocultadas através da maquiagem, até o momento em que ele decidiu tatuar o braço e a partir dali, escolheram incluir as marcas corporais como parte da trama e não mais ocultá-las, o que aparenta ter funcionado e muito bem.

A nova tatuagem de Tyler Posey foi trabalhada para estar na nova temporada. Que importante ver que a tatuagem deixou nesse momento de ser um impeditivo, deixou de ter a necessidade de ser ocultada pela maquiagem e passou a servir de base para desenvolvimento do roteiro e da construção de identidade da própria personagem de Scott McCall. As duas faixas em seu braço têm uma grande importância no primeiro episódio, chegando de fato a servir como base temática para a história. Entretanto, parte da tatuagem e a nota musical dB ainda tiveram que ser cobertas.

É verdade que o personagem Derek Hale, interpretado por Tyler Hoechlin (1987), carregava nas costas a tatuagem de um triskelion e é justamente ele que vai orientar Scott quando este resolve marcar seu braço. Muitos fãs da série atribuem esse símbolo como uma forma de representar o personagem e seu bando. Nesse contexto, o conceito de tríade também é explorado pela série. Em busca de controlar a transformação, Derek recita o mantra “Alfa, Beta e Ômega”. Cada uma das palavras significando uma das ramificações possíveis para os lobisomens.

screen-shot-2013-02-27-at-10-57-00-am-1(Imagem das costas da personagem de Derek Hale)

É de se observar que o triskelion ou tríscele está bastante presente na série, é comum vermos o símbolo representado em lugares diversos, inclusive como já dizemos na tatuagem de Derek (no caso dele a tatuagem é a maquiagem o ator não tem nenhuma tattoo). Não negando o símbolo como parte da mitologia celta, Teen Wolf nos mostra que tanto os lobisomens como os druidas presentes na série o conhecem bastante.

No vídeo abaixo Tyler Posey fala sobre suas tatuagens e a relação destas com a série.

Scott McCall por ser um lobisomem tem um processo de cura avançado em comparação aos humanos comuns, assim, a sua primeira tentativa de se tatuar é fracassada, pois ela some completamente durante um rápido processo de cicatrização. O seu corpo não humano entende a tatuagem como uma ferida e justamente pelo processo de cura acelerado absorve toda a pigmentação.

4edacdd8c4a9afa0bc97856a5d1dd78b(Scott McCall com a tatuagem recém feita)

1112-1(A tatuagem desaparecendo pelo processo de cura acelerado)

Como dissemos, Derek que já era tatuado e um lobisomem mais experiente, é quem vai orientar McCall em como conseguir a sua tatuagem de fato. Especificamente esse ponto carece de maiores explicações na série. O que fica é que Derek domina uma técnica específica e só, que é feita utilizando um maçarico e que nos fez pensar muito mais no processo que ronda o branding, do que na tatuagem em si.

Aqui temos um outro ponto importante, que é perceber em que contexto a tatuagem como prática se insere, veja, em Teen Wolf a marca corporal faz parte da construção da história do protagonista e diferente do que é senso comum em programas de televisão, não estava atrelada a vilania, criminalidade ou coisa que o valha. Inclusive existe ali uma tentativa de se apresentar a tatuagem como prática cultural complexa e permeada de significados de acordo com cada povo. O tatuador é também apresentado como a figura que domina esse conhecimento e ele é respeitado por isso. Scott McCall fala algumas vezes que a palavra tattoo quer dizer deixar uma marca. E dentro de um contexto de ritual de passagem, ele faz suas listras no braço. Enquanto na ficção as duas listras do braço significam marcar algo, muito próximo do sentido sentimental, na vida real é uma tatuagem sobre a paixão do ator pela música.

301titleimage tw3 teen_wolf_season_3_episode_1_tattoo_tyler_hoechlin_tyler_posey_dylan_obrian_derek_hale_scott_mccall_stiles_tattoo_burn

Há de se dizer que existe uma diferença de uma pessoa tatuada para uma pessoa que é realmente apaixonada por tatuagem, como aparenta ser o caso do ator Tyler Posey. Em diversas entrevistas ele fala com muito entusiasmo sobre suas tatuagens, o que está por trás de cada uma delas e sempre faz questão de mostrá-las com muita naturalidade e alegria. Em 2014 em entrevista para TV Fanatic, o ator disse que:

“Eu acho que pra mim a razão pela qual eu amo tanto tatuagens é porque quando eu era criança a maioria das minhas influências era coberta de tatuagens e é o mesmo que você. Pra mim, isso meio que ditou minha vida, não tatuagens mas sim o cenário, o estilo. É como eu vivo. [risos] Você não tem a vontade de fazer mas eu tenho todo dia!”

teen-wolf-news-tyler-posey-tattoos-2014(Tyler Posey mostrando suas tatuagens em entrevista)

O mesmo se repete em sua conta pessoal no Instagram, onde ele inclusive se mostra um leitor do assunto, como na publicação em que ele se diz empolgado com a leitura do livro Vintage Tattoo – The book of old-school skin art de Carol Clerk.

Damn fine reading.

Uma foto publicada por Tyler Posey (@tylerposey58) em

Teen Wolf é uma obra de ficção para adolescentes. Suas personagens são partes do universo do sobrenatural e fantasia. Além da tatuagem – que é o ponto de partida desta escrita – é uma série que trata sobretudo da diversidade. E aqui mais uma vez oscilando entre o que é vida real e o que é ficção, a diversidade sexual está ali presente. Seja nas personagens que vivenciam as pluralidades de suas sexualidades, como também em parte do elenco que vem se posicionando abertamente como bissexuais, homossexuais ou no mínimo LGBTQ+ friendly.  O que é muito importante – além de não ser muito comum quando pensamos que a maior parte da produção voltada para o público jovem está mergulhada na heteronormatividade compulsória – quando pensamos o público-alvo que a série se direciona. Quando pensamos principalmente que as alas mais conservadoras da sociedade no âmbito mundial tentam barrar essas discussões nas mais vastas áreas, inclusive nas artes.

Em 2013 o site New Now Next dizia que Teen Wolf era o programa mais gay da televisão norte-americana e isso estava muito longe do tom jocoso de outrora. Acredite, os tempos estão mudando e parte dessa mudança se dá por pelo trabalho diário de pessoas que simplesmente estão dando a cara para o tapa. Sejam brigando pelo direito de ter seus corpos como querem, sejam brigando pelo direito de exercer suas sexualidades e seus gêneros como querem.

Em 21 de Julho de 2016, Jeff Davis anunciou durante a San Diego Comic-Con que a 6ª será a última temporada de Teen Wolf. Que seja um bom fechamento de ciclo. O que a série se propôs a fazer, já está feito. Para quem ficou com curiosidade de conhecer, as cinco temporadas estão disponíveis na Netflix.

Por fim, bom saber que as novas gerações terão esse referencial da tatuagem pra se espelhar. Carecemos de representatividade, principalmente daquela básica que preserva a dignidade das pessoas. Muda mundo, muda.

tumblr_mnzd2u7j4j1rtwid9o1_500

REFERÊNCIAS
Tim Burton errou rude ao tentar explicar a ausência de personagens negros em seus filmes

http://www.hypeness.com.br/2016/10/tim-burton-errou-rude-ao-tentar-explicar-a-ausencia-de-personagens-negros-em-seus-filmes/

Teen Wolf 

http://www.imdb.com/title/tt1567432/

A mitologia do Teen Wolf: Triskelion
https://bipolaridadesoficial.wordpress.com/2016/01/21/a-mitologia-de-teen-wolf-triskelion/ 

“Teen Wolf” Is The Gayest Show On TV. Here’s The Video That Proves It: WATCH
http://www.newnownext.com/teen-wolf-is-the-gayest-show-on-tv-heres-the-video-that-proves-it-watch/07/2013/

TVFANATIC: Tyler Posey e Tyler Hoechlin falam sobre o que está por vir na quarta temporada
http://www.teenwolf.com.br/2014/07/25/tvfanatic-posey-e-hoechlin-falam-sobre-quarta-temporada/

Terceira Temporada: Divulgado nome do líder da Alcateia de Alfas & Scott McCall adquirá nova tatuagem
http://www.teenwolf.com.br/2012/10/24/terceira-temporada-divulgado-nome-do-lider-da-alcateia-de-alfas-scott-mccall-adquira-nova-tatuagem/

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×

About T. Angel

No cenário da modificação corporal brasileiro desde 1997, inicialmente como entusiasta e posteriormente atuando no campo da pesquisa. Parte de seu trabalho está incluso no livro "A Modificação Corporal no Brasil - 1980-1990" e grande parte depositada aqui no FRRRKguys.com.br.