Victor Piercing, do underground para o mainstream!

0 Flares 0 Flares ×

Victor Piercing, 32 anos, é um dos performers mais famoso do Brasil.
Seu trabalho não fica mais preso aos meios GLS e underground e, ganha notoriedade pública.
Apesar de incluir em seus números elementos de Freak Show, a composição total do trabalho desse artista é uma super
produção, que já faz parte da agenda de diversos Clubs e eventos, nacional e internacionalmente.
Vale acrescentar que Victor Piercing também é um dos grandes nomes da body art nacional, sua participação em livros, exposições, programas de TV é sua colaboração para a propagação das interferências corporais!
Batemos um papo com esse grande artista que já faz parte da programação da FRRRKCON 000.1, confiram:

T. Angel: Quando você começou o seu trabalho como performer?
Victor Piercing: Comecei com 14 anos em Presidente Altino na Boite Bambus Boli.

T. Angel: Conte-nos sobre como chegou na idéia do andrógino?
Victor Piercing: Foi acontecendo. Nada premeditado. No começo eu fazia um visual até mais gótico.

T. Angel: Suas influências artísticas?
Victor Piercing: NIna Hagen, Cindy Lauper, The Cure, David Bowie, Sigue Sigue Sputinik, entre outros.

T. Angel: Quando e como foi o seu primeiro contato com a modificação corporal?
Victor Piercing: Foi aos meus 14 anos. Eu mesmo perfurei meus mamilos e com o passar do tempo fui acrescentando os outros.

T. Angel: Quantos piercings você já ostentou?
Victor Piercing: Um total de 26.

T. Angel: Quais modificações corporais você tem em seu corpo?
Victor Piercing: Eu já tive 26 piercings, mas hoje em dia estou com menos. Apesar que as perfurações ainda continuam abertas. Tenho tatuagem no braço que vai até o peitoral e passa pelas costelas.

T. Angel:
Qual sua relação com a dor?
Victor Piercing: Nenhuma! (risos)
Tenho piercings e tattoo, mas não curto a dor.

T. Angel: Sabemos que ter alguma interferência corporal na década de 90 era bem diferente do que é hoje. Como foi esse processo para você?
Victor Piercing: Hoje eu tenho um visual até mais normal. Já tive o cabelo de todas as cores, mais piercings e etc. As pessoas ficavam chocadas, principalmente na época.
Teve também um movimento chamado “Cyber Punk” e muitos acabavam me chamando assim. Era terrível, tinha que explicar que não era e acredito que essa foi uma das razões para que eu desse uma amenizada no visu e reduzisse os piercings que eu possuía.

T. Angel: Como é para você, utilizar elementos de “freak show” para um público que não está acostumado com o meio “freak”?
Victor Piercing: Adoro e as pessoas curtem muito também. Tamanha aceitação que o show com a serra é o mais pedido.

T. Angel: Qual performance que você considera um marco da sua carreira?
Victor Piercing: O show com a serra elétrica. Através dele participei de muitos programas na TV e como eu disse acima, é um dos mais pedidos.

T. Angel: Quantos anos de “estrada”?
Victor Piercing: Estou com 32 anos, comecei meu trabalho com 14, mas as viagens para shows foram bem depois quando eu já tinha uns 18 anos.

T. Angel: Dá para viver no Brasil apenas com o trabalho de performance?
Victor Piercing: Além de performer sou maquiador profissional de efeitos especiais, pintura corporal e artística.

T. Angel: Cite as principais dificuldades que você encontra para desempenhar o seu trabalho?
Victor Piercing: Sem dificuldades.

T. Angel: Como é o Victor Piercing fora da vida profissional?
Victor Piercing: Sou um cara bem tranqüilo e com amizades também fora do meio artístico

T. Angel: Onde podemos ver o seu trabalho?
Victor Piercing: Freqüentemente na boite A Loca em São Paulo e em outros locais com datas marcadas.

T. Angel: Uma mensagem do Victor Piercing para o mundo?
Victor Piercing: Acredite em você mesmo, para que os outros também o façam.

Fotos: Walterlan rodrigues

Contato Victor Piercing:
http://www.fotolog.com/victorpiercing
http://www.orkut.com.br/Profile.aspx?uid=14907818562893970762

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 Reddit 0 Email -- 0 Flares ×

2 thoughts on “Victor Piercing, do underground para o mainstream!”

Deixe uma resposta